sexta-feira, 22 de novembro de 2013

A Arte e a Tradição

Cozinhar é, sem dúvida, uma arte. E o chef, o cozinheiro, o profissional do alimento domina este dom majestosamente, como se já tivesse nascido com essa bênção.

 Hoje eu tive uma epifania ao me aventurar por uma cozinha que não faz parte da minha tradição: a japonesa. Testando a receita de harumaki*, percebi que não bastam o dom, a arte natural. É também necessária a rotina, que vem da prática. É essa prática que funda a tradição, passada por gerações para transformar aquele alimento em uma perfeição.

 Lembro-me de um episódio do programa Que Marravilha de Claude Troisgos, em que ele foi desafiado por uma família a fazer uma empanada tradicional. Ele falhou no teste! A receita dele ficou deliciosa, mas não era uma empanada. Era um prato com muito mais aspectos franceses do que uma empanada argentina pediria.

Meu harumaki ficou bom, mas não é um harumaki. E é dessas experiências que podem nascer novas descobertas, novos sabores!

Vamos nos aventurar! Não só na cozinha, mas na vida, porque ainda há muito a ser descoberto e a resposta não está apenas na tradição.

*Harumaki: rolinho primavera (bras.), spring roll (USA).

Nenhum comentário:

Postar um comentário