segunda-feira, 28 de junho de 2010

Van Gogh, poesia em forma de pintura

Vincent Willem van Gogh, ou apenas Van Gogh, como é mais conhecido, faleceu no dia 29 de julho de 1890. Cento e vinte anos após a sua morte, o legado do gênio permanece.


O que poucos sabem é que aquele que foi considerado um dos maiores (senão o maior) artista de todos os tempos não recebeu glória nem louvor enquanto vivo. Fracassado e tido como louco pelos moradores de Arles – na França, onde foi morar já no fim da vida - Van Gogh não tinha dinheiro para se sustentar, andava sozinho e sem amigos.

Além da vida triste e solitária, sua doença psicológica o levou ao suicídio.

Para mim, ele unicamente enxergava a lágrima contida, iluminava com os próprios olhos o céu e antecipava a dor que ele mesmo criara dentro de si, fazendo nas suas telas verdadeiras poesias através dos seus pincéis.

Identifico-me com a sua melancolia e sensibilidade.

2 comentários:

  1. É normal, principalmente em época passada, nossos gênios eram loucos, quando loucos eram os cegos para a genialidade deles.

    ResponderExcluir
  2. estava eu, no MASP, esses dias vendo mirando um esvaziamente de Van Gogh. Naquele momentos de instantes, tudo ficou tão pequeno diante da dor de viver... diante da dor do que ele vivera... viver dói... Vicente subescreveu isso... bonito post... bonito lugar!

    ResponderExcluir