segunda-feira, 23 de março de 2009

O tempo pega

O tempo, essa anestesia lenta,

engana mas não reclama espaço

e nem qualquer dessas inutilidades.


E a gente bem que tenta

contrariar a constante voz cega...

Quem prega essas bobagens?

A gente tenta ignorar o cansaço,

mas é aí que o tempo pega

e inaugura suas complexas montagens,

girando todo o compasso.


E a gente não sabe

mas se entrega.

Quem acredita nessas tolices?


O tempo, o vento, a tormenta...

Abafa-me o mormaço

e embaçam-se as letras impressas

que me custa decifrar.


E a gente vê que ele passa

mas quando percebe, tarda.

Quem se importa com ele agora?