sexta-feira, 6 de março de 2009

Degelo cerebral

Há mais de uma semana que a Paulicéia ferve num verão impiedoso e ‘desvairado’. Não imaginava o saudoso Andrade que seria assim que viveriam “...estes homens de São Paulo, todos iguais e desiguais... uns macacos”: suados, apressados, desinteressados, abarrotados nas lotações, nos metropolitanos e nas calçadas quentes.

Será que estamos já a nos acostumar com o calor? Notamos o contínuo aumento da temperatura e um certo incômodo no ar de Nostradamus com a duvidosa chegada de 2012?

Que será que nos espera? Reflito e nada concluo. Mas, a respeito das mudanças climáticas e espirituais previstas, este é o meu momento menos cético.

Piorou ainda mais quando topei com uma senhora sinistra e profética, catarinense, que me perguntou se, quando chegar o momento do “Juízo Final”, escolherei eu por ficar ou por ir com Jesus. Nada consegui exprimir além de um gemido fraco e um sorriso mais fraco ainda.

E aquele rosto enrugado sob o corpo franzino continuou num quase conto de terror, dizendo ai de que ficasse, porque dali pra diante seria a regra do anticristo.

Exageros descontados, parece-me mesmo que alguma coisa está para acontecer. Esperemos com os ventiladores ligados e refrescos à mão!

terça-feira, 3 de março de 2009

Reclamação Comgás: o abandono

A Comgás me abandonou e não retornou mais, deixando inacabado o processo de reclamações que eu realizei. A princípio, achei que era por motivo do Carnaval. Agora sei que é descaso mesmo. Foi-me prometido o tal retorno, para informar se a atendente havia mesmo dado a informação certa ou errada para mim. Ah, de que importa? Eu tive prejuízo e duvido ser reembolsada...

E fica tudo na mesma.

segunda-feira, 2 de março de 2009

Superando a negatividade

É certo que nós humanos somos compostos por sentimentos que se equilibram (ao menos, deveriam) entre dois opostos. E o maior desafio da humanidade é exatamente ponderar esse difícil caminho do meio.

Quem trabalha em grandes cidades, como São Paulo, lida com uma rotina intensa: trânsito, poluição, violência, transportes públicos lotados... Adicionando a este caos está a profissão: sou publicitária e vivo a correria de uma agência. Quem trabalha em uma conhece o ritmo.

Neste dia-a-dia conturbado não é difícil encontrar situações desanimadoras e desmotivantes. É por isso que desenvolvi uma técnica para tornar a vida mais saudável física e mentalmente.

Os principais pontos deste que eu chamo meu estilo de vida são:

1. Simplicidade: gerenciar bem as tarefas e evitar o acúmulo de ações torna o dia bem mais leve.

2. Pausas a cada hora: é importante relaxar a mente para refrescar o raciocínio e a concentração.

3. Boa alimentação: vitaminas e sais minerais ajudam na concentração e na disposição física.

4. Lazer: o esforço aplicado em um trabalho ou tarefa deve ser recompensado com algo prazeiroso.

5. Leitura: é sempre bom se manter atualizado e adquirir novos conhecimentos.

6. Autodesafio e automotivação: é imprescindível lembrar sempre dos aspectos positivos da atividade em pauta.

7. Separar os ambientes: não levar problemas do trabalho para casa e evitar que os problemas de casa reflitam no trabalho.