terça-feira, 13 de novembro de 2007

O jornalismo tendencioso

Eu sou jornalista. Logicamente, um de meus hobbies é ler e ver notícias... Revistas, jornais, telejornais, webjornais e, principalmente, blogs. Considero os blogs a forma menos tendenciosa, menos manipuladora de se ler uma notícia. Vocês podem notar, por exemplo, minha tristeza ao anunciar o fim do NoMínino em um post anterior.

Eu alimento à sombra uma antiga teoria, uma impressão a respeito dos jornalistas brasileiros e das notícias veiculadas na mídia. Acredito que a manipulação da mídia sobre a sociedade não é apenas aquela que todos consideram normal. Fico horrorizada ao ver a conformidade dos leitores da Folha, do Estadão, que acham comum a tendência editorial dos veículos! Mas é claro que é utópica a crença de que toda notícia é dada de forma integralmente neutra, tenho consciência disso.

Porém, enxergo algo mais profundo. Muitas vezes tenho a impressão de que há mais que manipulação, há invenção, há mentira, há criação de histórias e situações inexistentes, mas convenientes. Convenientes para quem? Quem faz a guerra de informações? Vergonhosamente, não consigo ainda responder, por isso trato como teoria.
Tudo isso parece muito óbvio, mas ao compartilhar meu pensamento com amigos, vi que não é tão óbvio assim... Me taxaram como exagerada. Mas encontrei aliados! Meu pensamento foi reforçado em dois artigos que li... Coincidentemente, artigos publicados em blogs.

O primeiro sintoma que reforçou esta minha teoria eu obtive no Blog do Mino Carta, que faz um desabafo em 07/11... Aí vai o trecho que me chamou atenção: "
Não sei por que não acho a mídia brasileira digna da contemporaneidade do mundo, como pretendem centenas de jornalistas nativos.". Vale conferir na íntegra.


O segundo sintoma veio com força total, no ótimo artigo da Marilena Chauí, que é entrevistada pelo Paulo Henrique Amorim... Em seu blog, claro, Conversa Afiada. O relato exclusivo da filósofa, historiadora, escritora e professora é esclarecedor e fala fundamentalmente da "crise aérea" brasileira. Vi que o pensamento dela é praticamente idêntico ao meu. Pelo título da matéria, "A invenção da crise", já dá pra fazer uma prévia do que a leitura reserva: http://conversa-afiada.ig.com.br/materias/446501-447000/446655/446655_1.html

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

A nossa geração olha para trás

Por que nós, jovens nascidos nos anos 80, sempre lemos criações da geração passada, retrasada?
Por que eu e meus amigos ficamos fascinados com toda a arte produzida na época da ditadura brasileira?
Por que nos identificamos e admiramos tanto a cultura beat?

Não sei se é porque atualmente não encontro nada tão forte, sujo, vergonhoso e autêntico pra ler... Talvez também seja porque leio hoje coisas que me parecem perfeitas demais. Nada novo, tudo no lugar... Então, volto ao passado de novo, busco o caos mais nostálgico. Hoje encontrei uma poesia interessante e clássica, que envolve todo esse meu sentimento retrô!

Segue um trecho de "Uivo", do Allen Ginsberg.

" Eu vi os expoentes de minha geração destruídos pela loucura,

morrendo de fome, histéricos, nus,

arrastando-se pelas ruas do bairro negro de madrugada em busca

de uma dose violenta de qualquer coisa,

"hipsters" com cabeça de anjo ansiando pelo antigo contato

celestial com o dínamo estrelado da maquinaria da noite,

que pobres, esfarrapados e olheiras fundas, viajaram fumando

sentados na sobrenatural escuridão dos miseráveis aparta
mentos sem água quente, flutuando sobre os tetos das cidades contemplando jazz,
que desnudaram seus cérebros ao céu sob o Elevado e viram

anjos maometanos cambaleando iluminados nos telhados

das casas de cômodos,

que passaram por universidades com os olhos frios e radiantes

alucinando Arkansas e tragédias à luz de William Blake

entre os estudiosos da guerra,

que foram expulsos das universidades por serem loucos e publi
carem odes obscenas nas janelas do crânio,
que se refugiaram em quartos de paredes de pintura descasca
da em roupa de baixo queimando seu dinheiro em cestas
de papel, escutando o Terror através da parede... "

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

The Maxx surgido das HQ's



Há uns dez anos eu tinha a rotina diária de ligar a TV no canal Locomotion para assistir mais um inédito e surreal episódio de The Maxx.

Este fantástico anti-herói foi criado pela MTV em 1995, inspirado na HQ do desenhista e escritor Sam Kieth. Confesso que as tramas e fantasias eram tão profundas que eu, na minha tenra idade, pouco compreendia e absorvia daquela história. Não sei porque, ainda assim, eu era fascinada pelo The Maxx. Toda aquela idéia de haver um mundo onde não eram lançadas regras, nem eram concebidas lógicas para qualquer coisa, material ou não. Era um sonho!

Hoje em dia, com a possibilidade de baixar e compartilhar músicas e vídeos, poderei ter o prazer de rever estes episódios. Estou ansiosa, pois serão outras concepções, associações e criações que farei... Será um segundo The Maxx.

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

22 de Setembro: Dia mundial sem carro

Pessoal,

Vamos aderir!
Dia Mundial sem Carro

A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente convida a população de São Paulo a aderir ao movimento "Dia Mundial Sem Carro", evento internacional realizado anualmente no dia 22 de Setembro.

Esta mobilização vem ocorrendo há alguns anos em muitos países e tem como objetivo combater a poluição do ar, a emissão excessiva de gases efeito estufa, e estimular a adoção de políticas públicas de transportes coletivos de boa qualidade e o uso de modos não motorizados de transportes.

Convidamos órgãos municipais (Secretarias, Subprefeituras, Fundações, Empresas, Autarquias, Escolas, Unidades de Saúde, Parques Municipais, etc.) a aderirem ao movimento. Os Secretários da Coordenação das Subprefeituras, de Participação Popular e do Verde e Meio Ambiente já se comprometeram a aderir.

Pedimos aos que concordarem que neste dia não utilizem carro particular ou oficial para ir e voltar da sua casa para o trabalho e que façam também esta sugestão a outras pessoas. A participação é voluntária e deve levar em conta as múltiplas realidades de cada um.

Se você concorda em aderir, comunique sua decisão pelo e-mail: eduardojorge@prefeitura.sp.gov.br, até o dia 20 de setembro.

Dê o exemplo. Participe!

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

40% da comida norte-americana vai para o lixo

A gravidade da manchete chamou minha atenção para uma notícia publicada no site da BBC. Cerca de 30% da comida comprada em países ricos vira lixo.
Claro que eu poderia escrever aqui um texto fleumático e indignado, alegando quão absurdo é o desperdício de comida enquanto mais de 800 milhões de pessoas são vítimas de subnutrição. Sim, eu poderia insinuar o egoísmo do ser humano e a total falta de coerência, quando um país como os Estados Unidos da América, que chegam a jogar 40% de seus alimentos no lixo, oferecem 200 mil dólares para ajudar vítimas do tremor que aconteceu no Peru.

Eu poderia reclamar, sim, mas vou deixar para o professor Jan Lundqvist (na notícia) o espaço para os argumentos incontestáveis de que nossa sociedade está no caminho errado, e com os valores completamente distorcidos.

Pensar nessa notícia de forma mais profunda é lembrar das calamidades mundiais, que parecem não ter solução... As mortes diárias no Oriente Médio, as infinitas guerras por diamante na África, o alto índice de analfabetismo brasileiro, a caça aos animais em extinção...
Vou parar por aqui, senão nem dá vontade de acordar amanhã para tomar um café.

Veja aqui a matéria completa

quinta-feira, 16 de agosto de 2007

O caos é uma ordem por deficrar

Quantos já ouviram ou leram esta citação? "O caos é uma ordem por decifrar", frase poeticamente isolada numa folha do livro de José Saramago, O Homem Duplicado.
E dos que ouviram ou leram a impactante frase, quantos conhecem sua origem? A falta de resposta me levou a quase uma obsessão, similar à de Tertuliano Máximo Afonso, de encontrar a tal origem misteriosa.
Livro dos Oposto ou Livro dos Contrários? Quem é o autor? História fantástica! Um dia descubro...

quarta-feira, 25 de julho de 2007

Vergonha de ser brasileira

Torcedores que vaiam os adversários da delegação brasileira no Pan, que vaiam o presidente de seu próprio país na frente de estrangeiros. Passageiros que socam balcões de aeroportos de forma descontrolada, alegando querer respostas... Passageiros com medo infame de viajar de avião... População que aceita e nem percebe a manipulação da notícia na mídia... CPIs inúmeras e infindáveis, com explicações praticamente infantis aos repórteres.

Sim, por essas e tantas outras razões eu tenho tido vergonha de ser brasileira num momento desses.

A crise não é na aviação, nem no governo. O problema não é dos políticos, nem das grandes empresas. Não... A crise e o problema estão em cada indivíduo que nem cogita a possibilidade de agir para mudar essa situação. Nem sabem como agir... E o melhor começo para mudar essa situação é a informação. Ser interessado pela verdade é um sentimento que não pode morrer em ninguém! O cidadão tem direitos e deveres que, em 90% das vezes, são esquecidos e abandonados.

Vamos chegar em casa, após um dia de trabalho alucinante, ligar na tevê globo e ver o que se fala. E vamos, no dia seguinte, repetir indignados as palavras do âncora global.
Que cegueira! Porra! Cansei...

sexta-feira, 13 de julho de 2007

Subprefeitura cancela festival promovido pela Prefeitura de SP

É com imenso desprazer que informamos que o FESTIVAL SINFONIA DE CÃES IV, que acontecerá no próximo sábado, dia 21 de Julho de 2007, teve seu local original de realização, a Pça da Subprefeitura de Santana/Tucuruvi, ALTERADO PARA A SOCIEDADE AMIGOS DE VILA SABRINA, LOCALIZADA NA AV. JARDIM JAPÃO, 73, VILA SABRINA.

O motivo do cancelamento do evento no local, se deve ao fato da Subprefeitura de Santana/Tucuruvi ter negado o pedido de autorização de uso do espaço, duas semanas antes da data de realização do evento, ressaltando que o projeto foi entregue pela primeira vez a esta Subprefeitura em março de 2007, e desde então em nenhum momento foi cogitada a possibilidade da não realização do evento no local por falta de infra-estrutura.

Roger Duran - coordenador do coletivo Sinfonia de Cães


Abaixo reproduzo a carta enviada à subprefeitura.
Bom dia, sr. Subprefeito José Roberto Piteri
.

Gostaria de declarar meu descontentamento e indignação diante da decisão da Subprefeitura de cancelar o Festival Sinfonia de Cães IV, um projeto de que tem apoio da Prefeitura de São Paulo e do VAI, projeto que tem a finalidade de incentivar a cultura.

É assustador como a discrepância de vossa atitude não cai nas suas vistas a ponto de fazê-los perceber que situação absurda vossa entidade provocou. A completa falta de sentido só não é mais grave que a falta de respeito que vossa entidade demonstrou ao coletivo Sinfonia de Cães, que organizou o evento, envolvendo custos, pessoas, tempo, e trabalho, muito trabalho!

Lhes foi enviado o pedido de autorização em março. Autorização esta que solicitava um espaço para a manifestação de atividades culturais voltada para a comunidade. O coletivo Sinfonia de Cães acredita que a comunidade tem necessidade de atividades culturais. O governo de São Paulo possui uma verba reservada para a cultura e por isso criou o projeto Vai, para que grupos e organizações interessadas e que acreditam que podem fazer a diferença na sociedade venham e ofereçam algo que o próprio governo não tem capacidade de criar, mas que tem a obrigação de oferecer.

Estamos, portanto, oferecendo cultura e entretenimento para a comunidade, além de dar utilidade à praça que, muitas vezes está subutilizada. Porém, de repente, nos vemos bloqueados por empecílios e burocracias sem sentido. Como é possível declarar num documento oficial que, mesmo sem ter recebido qualquer tipo de reclamação nem ter ocorrido qualquer problema no festival que realizamos anteriormente, não será possível ceder um espaço que é público? Com que argumento legal é possível sustentar esta idéia absurda, que veta os direitos do cidadão de ter acesso à cultura? Realmente é difícil e quase impossível compreender a postura de vossa entidade. A minha opinião particular é que a vossa postura é reflexo do mais infame preconceito. Preconceito sim, por tachar o comportamento do público freqüentador de nossos festivais inadequado para vosso espaço.

Como cidadã, jornalista e assessora de imprensa do coletivo Sinfonia de Cães, quero salientar que não só lamento como repudio tal atitude. E quero também informar que, mesmo com vosso impedimento, manteremos a data de realização do evento em outro local, graças a pessoas e organizações que acreditam no nosso trabalho e lutam por uma cidade melhor, despidas de qualquer preconceito.

Eu me envergonho do sistema de governo de São Paulo.

quarta-feira, 11 de julho de 2007

Aqui jaz NoMínimo

Um dos meus sites de crônicas preferidos chega ao fim. www.nominimo.com.br

NoMínimo me acompanhou por um ou dois anos e agora termina de forma não triste, mas nostálgica. Os colaboradores continuarão alimentando os ávidos leitores com seus blogs e projetos particulares. Fico feliz por haver iniciativas independentes da cultura. Eu mesma participo de uma, na qual acredito profundamente.

Talvez seja um bom momento para o leitor de NoMínimo pensar que diferença ele faz para a sua sociedade, para a sua família e para o seu próprio bem-estar... Não basta jogar o lixo no lixo, nem pagar os impostos em dia... É preciso ir além da cinza burocracia que nos congela! Precisamos, sim, daquele arauto da liberdade, com o verdadeiro sentido da felicidade.

Espero mesmo que NoMínimo termine abrindo espaço para a sociedade autêntica, que tem algo a entregar para o próximo...

sexta-feira, 9 de março de 2007

Manifestação ou transgressão?

Ontem houve duas manifestações na avenida Paulista. Uma em homenagem às mulheres e outra contra a visita do presidente americano, Bush, ao Brasil. Eu acompanhei pessoalmente o evento.

O que era para ser um ato pacífico, acabou se transformando em transgressão à lei, violência e desordem, por conta de um pequeno grupo de anarcopunks, que agredia a polícia. Foram lançadas bombas de efeito moral, pedras, pauladas, que deixaram poucas dezenas de pessoas feridas levemente, entre civis e policiais.

Lucas Pirola, meu colega de trabalho, também esteve na manifestação e registrou o ato. Veja no link:
www.youtube.com/lucaspirola

quarta-feira, 7 de março de 2007

A viagem insólita americana

Nesta sexta-feira (09), o presidente dos Estados Unidos da América, George W. Bush, passará por São Paulo, em sua viagem pelo Brasil. Nesse clima político, as movimentações nas manchetes dos principais jornais paulistanos não poderiam vir de outra forma senão polêmica. Hoje, pela manhã, li uma notícia na BBC que mostrou ares de provocação, afirmando que os EUA condenam as ações policiais paulistanos de retaliação ao PCC. Ora, é importante lembrar que o Primeiro Comando da Capital é considerado um grupo terrorista. E nem preciso lembrar a postura do país norte-americano diante dos terroristas. No mínimo curioso...
Link da notícia

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2007

Dietas para perfeccionistas

Pesquisas realizadas na Universidade de Southampton apontam que as pessoas perfeccionistas tentem a sofrer mais de gastrite. É o que os médico denominam de gastrite nervosa.

Clique, para ver toda a matéria.
Fonte: BBC Brasil.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

Roda Viva e diária

A Folha On Line comunicou ontem o novo horário do Programa Roda Viva, na TV Cultura. Gostei da novidade, mas fiquei surpresa pelo fato de a Folha ter divulgado matérias que não sejam globais, como de costume.

Segue o link para conferir: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u68814.shtml

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2007

Rocky pelos olhos de uma jornalista

Este artigo é o comentário da não apenas jornalista, mas também fã de Rocky, Bruna Queiroga. Aqui ela expõe de forma original a sua impressão particular sobre o filme.
Veja aqui o artigo

Eu, que não sou nem um pouco fã do lutador, estou me convencendo a conferir a obra.

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007

Inauguração

Hoje é um dia comum, ensolarado e ocioso. Nesse clima indolente inauguro meu blog. Aqui pretendo expor textos e poesias de minha autoria, quando tiver tempo de dedicação para isso.

Abro, finalmente, um espaço para divulgar meu trabalho artístico. Você é bem-vindo!